domingo, 29 de abril de 2012

Lindo, lindo era ver o SCP a contratar o meu querido Guardiola para Adjunto do Sá Pinto!

(Uma enorme blasfémia, bem sei... Mas garanto que ia aumentar a assiduidade do público feminino nos jogos do Sporting e ia fazer-me tão feliz, tão feliz mesmo...=D)

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Sporting na Europa League

Acabou a nossa jornada por estas bandas...

De ressalvar o fantástico fair-play dos adeptos bascos que mostraram um enorme apoio à sua equipa e respeito pelo adversário, aplaudindo de pé esta exibição!

No final do jogo arrepiei-me com o momento em que todo o estádio estava a gritar "SPORTING!" Sim, nós perdemos e eles homenageiam os nossos atletas! É por isto que gosto de Futebol.

Sá Pinto cumprimentou um por um cada um dos seus jogadores, agradeceu aos adeptos do Sporting e só depois saiu do Campo. Ganhou hoje o meu respeito que já vinha conquistando pouco-a-pouco...

Tenho pena do Jorge Jesus que após ganhar a taça ao Gil Vicente (que tinha uma cidade e um clube a sonharem ganhar aquele jogo) após receber a medalha da vitória, guarda-a no bolso... Foi um momento infeliz, muito infeliz...

Eu sou do Sporting, quem me conhece já me viu torcer por diferentes equipas portuguesas, espanholas, inglesas ou italianas (reconheço que não ligo muito ao futebol francês)...

Ganhar? É importantíssimo.

Estar a perder? É angustiante.

Mas assistir a um bom jogo de futebol, independentemente de quem ganha, é apaixonante.

Guernica - 26 de Abril de 1937


75 anos depois ainda se mantém o mistério sobre o bombardeamento da pequena cidade basca.
Fica a dúvida, a tristeza e a magnífica obra de Picasso, Guernica, símbolo da barbárie humana.
Já tive oportunidade de a apreciar ao vivo e é uma visão avassaladora...

quarta-feira, 25 de abril de 2012

O que o acaso nos mostrou, a razão fez esquecer...


Hoje vou-te querer roubar outra vez,
Hoje vou-te querer provar outra vez.



segunda-feira, 23 de abril de 2012

Não havia necessidade...

Mais uma vez Ordem dos Médicos e Ordem dos Farmacêuticos de costas voltadas em vez de caminharem juntos na mesma direcção...

Esta malta não sabe o que é trabalhar em equipa... Todos podem dar o seu contributo sem se imiscuir nas funções dos outros. E até já há um nome para isto EQUIPAS MULTIDISCIPLINARES!

Reacção do Bastonário da Ordem dos Médicos às Normas de Orientação Farmacêutica proposta pela Ordem dos Farmacêuticos:

"Não conheço as normas, não sei qual é o objectivo e os médicos não encomendaram nenhumas normas à Ordem dos Farmacêuticos" revela o Bastonário da OM, José Manuel Silva, que sublinha que os médicos receitam os fármacos que os doentes necessitam. E continua "Não precisamos que os farmacêuticos nos venham dizer que medicamentos precisamos de prescrever(...)"

Não havia necessidade... Sinto-me envergonhada quando leio estas coisas...

Links úteis para compreender melhor esta questão:


http://www.simedicos.pt/Noticias/Comunicado-da-Ordem-dos-Medicos_5697.aspx

http://www.ordemfarmaceuticos.pt/scid/ofWebInst_09/defaultArticleViewOne.asp?categoryID=1492&articleID=5533

domingo, 22 de abril de 2012

Vamos falar de amor?

Vamos falar das duas diferentes formas de se iniciar um amor:
Paixão versus Amizade!

1. Paixão: à primeira vista ou não, desperta um furacão de sentimentos. É a sede do outro, a dor da ausência e a sagacidade do querer. Não tem uma causa facilmente identificável, gosta-se e pronto! Não se vêm defeitos, potenciam-se as qualidades, isto é, há uma idealização inofensiva do amante porque elevá-lo à categoria de deus dá-nos a sensação que estamos certos, que é o tal, que todo o Universo conspirou a nosso favor.

2. Amizade: conquista-se a confiança e o respeito, regozija-se com os interesses em comum, começam a reconhecer-se qualidades onde antes se viam defeitos e um dia acordas e tudo mudou. Há um sentimento que em silêncio vai crescendo até ao dia em que é demasiado grande para se contentar em ficar apenas pelo peito. O deslumbramento é imenso, a necessidade e o querer ganham forma.

Depois?

Depois nasce o amor, que é uma soma destes dois sentimentos e muito mais, muito mais mesmo...
Nesse momento já se sabem quais os defeitos com que se pode contar e já adquirimos os mecanismos necessários para lidar com eles, ou pelo menos, evitar que façam muitos estragos.
As qualidades que aumentam a cada dia fazem-nos sentir honrados e orgulhosos por termos aquele ser tão maravilhoso a nosso lado.
A confiança, a segurança, a liberdade e o respeito tornam os laços mais fortes.
O desejo e a loucura são inovados a cada dia, até porque agora, a intimidade, de tudo o mais difícil de conquistar, permite viver em plenitude a voluptuosidade da paixão...
Há ainda o querer, que a meu ver, é a melhor forma de expressar este sentimento. A doce sensação de ouvir um "quero-te na minha vida" é inenarrável...
E mais, muito mais...

Um amor que nasce duma amizade é um amor de segunda?

Na minha opinião, que vale o que vale, são equivalentes, até mesmo sobreponíveis.
Não interessa como começa, o importante é a forma como lhe dás continuação. 
Tendo em conta que já desfrutei de ambas as situações, sou capaz de ter razão... =)


Uma definição que a minha irmã me mostrou e que aplaudo de pé:


"Quando nos apaixonamos, ou estamos prestes a apaixonar-nos, qualquer coisinha que essa pessoa faz – se nos toca na mão ou diz que foi bom ver-nos, sem nós sabermos sequer se é verdade ou se quer dizer alguma coisa — ela levanta-nos pela alma e põe-nos a cabeça a voar, tonta de tão feliz e feliz de tão tonta. E, logo no momento seguinte, larga-nos a mão, vira a cara e espezinha-nos o coração, matando a vida e o mundo e o mundo e a vida que tínhamos imaginado para os dois. Lembro-me, quando comecei a apaixonar-me pela Maria João, da exaltação e do desespero que traziam essas importantíssimas banalidades. Lembro-me porque ainda agora as senti. Não faz sentido dizer que estou apaixonado por ela há quinze anos. Ou ontem. Ainda estou a apaixonar-me. 

Gosto mais de estar com ela a fazer as coisas mais chatas do mundo do que estar sozinho ou com qualquer outra pessoa a fazer as coisas mais divertidas. As coisas continuam a ser chatas mas é estar com ela que é divertido. Não importa onde se está ou o que se está a fazer. O que importa é estar com ela. O amor nunca fica resolvido nem se alcança. Cada pormenor é dramático. De cada um tudo depende. Não é qualquer gesto que pode ser romântico ou trágico. Todos os gestos são. Sempre. É esse o medo. É essa a novidade. É assim o amor. Nunca podemos contar com ele. É por isso que nos apaixonamos por quem nos apaixonamos. Porque é uma grande, bendita distracção vivermos assim. Com tanta sorte."
Miguel Esteves Cardoso, in 'Jornal Público (14 Fev 2012)'





quarta-feira, 18 de abril de 2012

Saber mais sobre mim? Qualquer informação disponível não dispensa a consulta do manual de instruções... 

terça-feira, 17 de abril de 2012

Ana Mato ve 'razonable que paguen más en la farmacia los que más tienen'

http://www.elmundo.es/elmundo/2012/04/11/espana/1334142262.html

Não é uma ideia original, já muito se pensou sobre isto e ainda muito pouco (quase nada) se deliberou...
A ser implementada em Espanha será, certamente, seguida em Portugal.
Embora a "máquina" fiscal funcione mal e, nem sempre, quem ganha mais, paga mais impostos, estes são calculados em  função dos rendimentos e, portanto, os contribuintes seriam duplamente penalizados...
Mesmo assim, sou mais a favor do que contra esta medida...


segunda-feira, 16 de abril de 2012

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Fonzie - A Tua Imagem




Porque esta música insiste em não me sair da cabeça... =)  ADORO!

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Se acordas a pensar nela, se quando estás a trabalhar te lembras dela, se quando estás no metro voltas a recordar-te dela e quando adormeces já esperas sonhar com ela... Então, estás lixado!

terça-feira, 10 de abril de 2012

O fecho da Maternidade Alfredo da Costa: ignorância e preciosismos



Dei-me ao trabalho de procurar as razões evocadas pela população e equipas clínicas para que não se encerrem as instalações da Maternidade Alfredo da Costa (MAC):
1. "Os médicos não querem que feche, por isso se os médicos não estão de acordo, esta não pode fechar."
2."Porque eu nasci aqui e a minha neta também."
3."Porque é um centro de excelência em neonatologia."
4."Porque eu tive complicações no final da gravidez e as coisas só correram bem porque fui aqui seguida, se fosse noutro lugar, as coisas teriam corrido mal."
5."Porque a MAC é um símbolo da cidade de Lisboa."
6. blá blá blá blá blá...

Mas o que é isto?
As mesmas pessoas que se queixam do aumento das taxas moderadoras querem agora manter uma estrutura ativa meramente por questões saudosistas ou necessidade de manter os micro-reinados que tanto vemos na Saúde (e não só)...

Jesus Cristo nasceu numa manjedoura, quer se seja católico ou não, é fácil concordar que é a pessoa mais importante da história da humanidade, não haviam as menores condições de higiene no local, não teve apoio clínico no momento do parto e, mesmo assim, cresceu saudável e sem mais problemas de saúde. 

Isto quer dizer que devemos transferir os partos para as vacarias?

Não sou contra, nem a favor do fecho desta maternidade. Importa-me sim a melhor utilização do bem tão querido a que chamamos Saúde.
Nós não temos dinheiro, gastamos mais de 10% do nosso PIB em saúde e temos que rentabilizar ao máximo os nossos recursos humanos, materiais e estruturais.
As equipas de "excelência" são-no em qualquer lugar, todas as maternidades portuguesas têm um funcionamento excepcional e para símbolo de Lisboa já temos a Torre de Belém.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Livre arbítrio


Eu acredito em Deus. Nem sempre acredito no que os homens falam ou fazem em Seu nome.

Não acredito no Deus perverso que gosta de jogar com marionetas decidindo o seu fado. Somos livres, fazemos as nossas escolhas a cada instante, de forma livre e enfrentamos as consequências, sejam elas boas, más ou (raramente) inócuas dos nossos atos.

Contudo, tenho a controversa sensação que há coisas a que por muito que fujamos não conseguimos escapar. Tenho sentimentos muito ambíguos a este respeito.

Teimo em protelar pensar a este respeito porque espero, com todas as minhas forças, que a minha vontade aliada aos desígnios da vida não me tenham reservado um desapiedado trajeto resultado de cíclicos encontros e desencontros…

(Rhhhhhhhhhhhhh odeio o acordo ortográfico!)

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Como tornar um potencial elogio num comentário desagradável...


Aproxima-se de ti e diz: “Mas está tão elegante, gosto tanto de a ver assim!”

Gentilmente agradeces este elogio e pensas que a conversa fica por aqui.

Enganaste! Uma vez que se segue: “É que está mesmo mais magrinha, fica muito mais bonita!”

E continua: “ É que antes estava um pouco pró forte mas agora está mesmo bem”

E insiste na ideia: “ É que parece outra, o que é fez? Não está doente pois não? Uma menina tão nova... Era uma pena…Blá blá blá blá blá blá...”

Fazes uso do teu sorriso mais amarelo e garantes que estás de perfeita saúde, que não estás a passar fome, nem a fazer dietas vegan, metida em drogas ou a tomar fármacos…

“Fico muito mais descansada, é que  AGORA está tão linda e elegante!” 

Vai-se embora e ficas com a estranha sensação que houve desilusão por não lhe teres dito que estavas a atravessar por um qualquer momento fatídico de tragédia...

Rhhhhhhhhhhhhhhhhhhh... Ora aqui está uma forma "simpática" de te dizer que antes eras uma baleia, um elefante, uma lontra marinha ou outro animal qualquer de pesada envergadura… Note-se que só denominamos algo de simpático, quando não há mais nenhuma qualidade a realçar...

Desconfiem das velhinhas com ar fóoooooofinho, é só para enganar... =s

domingo, 1 de abril de 2012

Vá lá, dá-me um beijo que eu prometo devolver-to amanhã... =)