segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

The Unthinking Majority

Acerca de Lance Armstrong:

Se querem fechar os olhos, usá-lo como bode expiatório e achar que é o único desportista no mundo a usar substâncias ilícitas, tudo bem... Vivemos num país livre (até ver) e num mundo assim-assim...

Mas ouvir falar dele de 5 em 5 minutos nos meios de telecomunicação e, ainda ter uns entendidos  no assunto,TODOS sabedores há décadas do acontecido a tagarelar sobre o sexo dos anjos... Ó meus amigos, depois do tipo confessar até eu tenho certeza...

Enfim, o que quero dizer é que claro que reprovo o seu comportamento mas Lance já terá o castigo merecido: vão-lhe tirar as medalhas, o dinheiro dos patrocínios, muito provavelmente terá que pagar coimas avultadas e, mais angustiante terá que enfrentar com vergonha os olhares reprovadores de desconhecidos, ex-admiradores, amigos, família e sobretudo dos cinco filhos para os quais foi um péssimo exemplo.

Mas o que me revolta é que os verdadeiros frustradores de expectativas, aqueles que tiraram casas, endividaram famílias, colocaram milhares no desemprego e muitos mais no limiar da pobreza, andam por aí de cabeça levantada! Não conhecemos as suas caras, não confessaram os seus crimes e não foram punidos!
Os nomes desses banqueiros e políticos não são manchetes de jornais e esses sim são merecedores do nosso maior escárnio e maldizer.


sábado, 19 de janeiro de 2013


Depois de quase 24h sem eletricidade, telecomunicações, internet, quase sem água e só com bateria no pc para 20 minutos apetece-me perguntar:  “ Ó Gaspar esqueceste de pagar as contas e a Troika cortou-nos tudo?”

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Rodrigo Leão ao Vivo

Assistir a um concerto destes senhores ao vivo é de um prazer imenso.
O responsável por fazer acontecer este momento dizia, entre risos, que só faltava um charuto numa mão e um copo de whisky na outra. Eu deliciada com o espectáculo asseguro que não foi preciso mais nada para que fosse perfeito.

Ahhh, um dos convidados foi o Gomo, aquele do videoclip aos pulos em cima da cama (pelo menos era disso que me lembrava) e tenho a dizer que cantou, por exemplo, o Terrible Dawn sem deixar nada a dever ao Scott Matthew... Uma bela surpresa! =D

Deixo aqui "A Comédia de Deus" foi uma das preferidas de quem me fez esta surpresa sabendo que eu os adorava e sem saber o que ia ouvir:





E já agora vamos relembrar o "Feeling alive" do talentoso Gomo:



segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Síndrome Alcoólico Fetal

“Não me importo que seja menino ou menina, quero é que tenha saúde!”

Esta é talvez a frase mais ouvida por uma grávida à espera de um bebé. Tenta ler-se tudo o que há à disposição, ouvir os conselhos de outras mães, ter cuidado com o que se come e com o que se bebe, martirizar-se sempre que se comete um excesso e tudo por uma só razão: para que aquela criança nasça com saúde.

Por isso, quando tomei conhecimento que a África do Sul tem a maior taxa mundial (1 em cada 10) de Síndrome Alcoólico Fetal por premeditação das mães fiquei bastante perturbada.

As mulheres quando sabem que estão grávidas ingerem excessivas quantidades de bebidas alcoólicas produzidas em destilarias (a maioria ilegais) para os seus bebés nascerem portadores de deficiência e, assim, em vez de receberem de abono o equivalente a 25€ mensais, passam a ganhar até 4 vezes mais.

Os 10% de inocentes que podem vir a não passar fome, nascem com malformações na face, nos rins, pulmões e coração, falta de coordenação motora, distúrbios no comportamento e atrasos no desenvolvimento.

"As dificuldades de aprendizagem geram problemas muito abrangentes para o futuro da criança. A repercussão é para a vida toda. Elas acabam com menos oportunidades profissionais, de manter relacionamentos afetivos ou fazer amizades", afirma Hermann Grinfeld, pediatra com mais de 40 anos de experiência e pesquisador dos efeitos do consumo de álcool na gravidez.

Não sei lidar com estas informações, no vídeo as mães alegam desconhecimento mas o facto é que é uma prática geral.
 
http://rionews2.blogspot.pt/2012/12/africa-do-sul-lidera-casos-de-sindrome.html

http://www.wsws.org/en/articles/2012/08/safr-a28.html
É sabido que eu aprecio bastante o futebol mas é com uma amarga ironia que vejo os periódicos espanhóis (e não só) a darem tamanha importância ao troféu Bola de Ouro e a esquecerem a guerra na Síria, no dia da morte do fotojornalista Enrique Meneses…


http://www.elmundo.es/elmundo/2013/01/07/comunicacion/1357532538.html

http://sicnoticias.sapo.pt/Lusa/2013/01/07/morreu-jornalista-enrique-meneses-miniaty-que-revelou-primeiras-imagens-da-revolucao-cubana

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Convicções versus Acções – Lei do Aborto

Em Portugal a interrupção da gravidez é regulamentada pela Lei nº16/2007 de 17 de Abril e foi aprovada em Referendo pelo povo nesse mesmo ano.

Anteriormente o aborto só era realizado, legalmente, em três situações: no caso de violação, malformação fetal ou quando havia perigo de lesão grave e duradoura para a saúde física e psíquica da mulher.

A partir de 2007 é permitido interromper voluntariamente a gravidez até à décima semana se assim a mulher o quiser, independentemente, dos motivos. A Lei nº 16/2007 de 17 de Abril indica que é obrigatório um período mínimo de reflexão de três dias e tem de ser garantido à mulher "a disponibilidade de acompanhamento psicológico durante o período de reflexão" e "a disponibilidade de acompanhamento por técnico de serviço social, durante o período de reflexão" quer para estabelecimentos públicos quer para clínicas particulares. A mulher tem de ser informada "das condições de efetuação, no caso concreto, da eventual interrupção voluntária da gravidez e suas consequências para a saúde da mulher" e das "condições de apoio que o Estado pode dar à prossecução da gravidez e à maternidade". Também é obrigatório que seja providenciado "o encaminhamento para uma consulta de planeamento familiar."

Uma coisa é ter votado contra esta lei por achar que a anterior já contemplava todas as opções necessárias, outra bem diferente é ver-se na situação de optar por ter ou não um filho quando não foi planeado.

 Dez semanas será tempo suficiente para refletir sobre tão sério assunto, aliás quando na realidade não se dispõe da totalidade desse tempo?

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Oscar Wilde estavas enganado!

"I can resist everything except temptation..."